Bárbara Cunha | Kitty
Kitty

Bárbara Cunha

Paraty, RJ, 2017

Kitty é uma menina trans que vive em Paraty.
Fiz um documentário onde ela é personagem.
De personagem, tornou-se família.
Esta imagem simboliza a sua transformação.
Como a lagarta que vira uma borboleta.

Sobre a autora

Bárbara Cunha
(Recife, PE, 1977)

Bárbara Cunha é cineasta e artista visual, sócia da 99 Produções.

Pós-graduada em Estudos de Imagem e Cultura Contemporânea, com coordenação de Iatã Cannabrava, e estudou direção com Béla Tárr, em Portugal.

Seus projetos têm um forte recorte feminino e procuram entender o papel da mulher na sociedade contemporânea.

Nas artes visuais, experimenta processos criativos em fotografia e vídeo.
Na fotografia, fez still e mk-off de diversos filmes brasileiros, culminando em imagens em livros sobre cinema, tal como Fernanda Montenegro: Itinerário fotobiográfico (Edições Sesc São paulo, 2018) Participou das exposições coletivas Aparelhamento, Funarte, São Paulo (2016); Pós Imagem Vol. 1, Imagem e Política, Madalena CEI, São Paulo (2017); 8a Mostra SP de Fotografia, Doc Galeria, São Paulo (2017); Mostra Singularidad e Ostredad, México (2017); À Nordeste, Sesc 24 de Maio, São Paulo (2019). Teve trabalhos publicados na Revista Garupa e na Revista Portfólio e Performance. Além de fotografar os processos da exposição Negros Indícios, Imagens ciclo de performances, Itaú Cultural (2018).

No audiovisual, dirigiu e roteirizou videoclipes, curtas, séries para TV, além do longa-metragem Flores do Cárcere (2021) com World Première na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, passando pelo Festival do Rio e no Festival do Rio, FESTin Lisboa (onde recebeu menção honrosa), dentre outros, e atualmente disponível no streaming.

Em 2020, foi uma das duas brasileiras a fazer parte do Cross Culture Fellowship do IFA (Instituto Alemão de Relações Exteriores) que visa fortalecer redes entre a Alemanha e representantes culturais de todo o mundo, onde trabalhou com a ProQuote Films com recorte em equidade de gênero.Em 2021, roteirizou e dirigiu a Vigília 7 de Abril na rede TVT e fez parte da equipe de direção de Tadeu Jungle na serie documental TRIP Transformadores 2021, na TV Cultura.

Atualmente finaliza sua ficção O Despertar da Montanha. Em paralelo, desenvolve seu primeiro longa-metragem de ficção, Menina Noiva (coprodução com Portugal e Chile), selecionado os importantes laboratórios internacionais Torino Film Lab. Seu próximo documentário Deus é Mulher (coprodução com Colômbia e Estônia) esteve no Festival de Cannes 2021 dentro da sessão Docs in Progress do Cannes Docs.

Skip to content